quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

CATARINENSE 2017: ATLÉTICO TUBARÃO, by Rodrigo Santos

CLUBE ATLÉTICO TUBARÃO
Fundação: 14 de Abril de 2005 (como ACRE Cidade Azul)
Cores: Azul, Preto e Branco 
Estádio: Domingos Silveira Gonzales (Municipal) - 3500 lugares 
Presidente: Gilmar Negro Machado
Técnico: Marcelo Mabília
Ranking "BdR" 2016: 9º lugar
Catarinense 2016: Vice-campeão da Série B

O Atlético Tubarão volta à primeira divisão cheio de expectativa, depois de colocar fim à síndrome do "quase" que durou alguns anos na segundona. Depois de bater na trave e até chegar escapar o acesso nos critérios de desempate, desta vez uma sólida campanha levou o Peixe à elite com a melhor campanha na fase de classificação. Acabou ficando com o vice, sendo superado pelo Barroso na decisão.



Chama a atenção o processo de reestruturação do clube, que chegou a passar por dificuldades há alguns anos. Hoje a gestão é terceirizada, com aporte financeiro e a filosofia de ser um clube com processos profissionalizados. O velho estádio de Vila Oficinas  (onde antigamente jogava o Ferroviário) foi remodelado, com troca total do gramado e melhoria da estrutura, que estava precisando de um maior cuidado. Os planos são ousados: o Tubarão quer subir degraus no campeonato brasileiro e fazer que a cidade de Tubarão volte a aparecer no cenário nacional 15 anos depois daquele outro Tubarão (que não tem a ver com esse) que chegou a disputar a Sul-Minas em 2002.

O clube teve uma escolha muito feliz no ano passado ao contratar Marcelo Mabília, de 44 anos, para o comando técnico. Ex-jogador do antigo Tubarão FC na década de 90, tendo passagem também pelo Figueirense, apareceu com destaque por aqui em 2015, quando fez ótima campanha com o Internacional de Lages, conquistando inclusive uma vaga na Copa do Brasil. Neste intervalo, também treinou o Tombense. Montou um time experiente para conquistar o acesso e conseguiu, com alguns dos jogadores de confiança nos tempos de serra. E, com alguns deles no elenco, tentará voos mais altos no Estadual, buscando uma vaga na Série D em 2018.
O elenco, que tem remanescentes de 2016, como o atacante Valdo Bacabal, foi reforçados com nomes conhecidos, como o colombiano Wason Rentería, aquele mesmo que passou pelo Internacional, o zagueiro Gustavo Bastos, ex-ABC e Avaí, o goleiro Luis Carlos, ex-Sport e o bom volante Ricardo Conceição, de três temporadas no Paraná Clube e uma passagem curta pela Chapecoense.

Com um orçamento que não é grande, mas também não é dos menores, o Tubarão mostra sua cara na primeira divisão com uma grande organização, pelo menos é o que dá pra ver de fora. O elenco é interessante e o técnico é bom, dando a certeza que a montagem do elenco foi bem feita. Resta ver onde irá chegar em um campeonato de nível técnico maior. A cidade azul, de tanta tradição no futebol, merece um representante à altura da sua importância.


Fonte: blogdorodrigo.org

2 Comentários:

Tiago Soares disse...

Como minha namorada é nascida lá e sua família está lá, meio que fico por dentro do clube em conversas quando vou pra tubarão. Perderam o artilheiro deles, brasão, se não me engano foi pra fora, mas tá colhendo bons nomes como os citados, a cidade da de ver que abraça o time, sempre tinha um bom público pra série b de catarinense, ganhou a última partida da final , porém apesar de terminar os turnos em primeiro, perdeu no saldo de gols somando as duas finais da série b. Por pelo menos uma vez no mês ir pra lá, nosso leão ganhou mais um torcedor mos visitantes quando jogarmos lá.

André Tarnowsky Filho disse...

Tiago Soares,

Esse Brasão incomodou muito o Avaí quando jogava pelo Hermann Aichinger...
Estaremos juntos nesse confronto com o Atlético em Tubarão, um lugar sempre muito bom de se visitar.

Postar um comentário

A MODERAÇÃO DE COMENTÁRIOS FOI ATIVADA. Os comentários passam por um sistema de moderação, ou seja, eles são lidos, antes de serem publicados pelo autor do Blog.

Odontokist

Arquivos do Blog

  ©André Tarnowsky Filho - Todos os direitos reservados.

Modificado por Marcos TOTÔ | Template by Dicas Blogger | Topo