terça-feira, 4 de julho de 2017

Bom dia, Azurras - nº 2.608

MATEMATICAMENTE NO FUNDO
Se levarmos em consideração as duas últimas rodadas, o Leão conquistou quatro pontos em seis disputados, o que não é ruim, bem pelo contrário. Ocorre que a pontuação e as outras nove rodadas foram demasiadamente cruéis...

Dias atrás, mais especificamente na Bom dia, Azurras número 2.598, fiz aquele paralelo inevitável com o América-RN, de 2007, quando o time potiguar alcançou uma marca nada elogiável, a pior campanha de um time no Campeonato Brasileiro da Série A na era dos pontos corridos, terminando a competição na lanterna com apenas 17 pontos ganhos dos 114 disputados, ou seja, 14,91% de aproveitamento.

Naquela oportunidade, escrevi que o aproveitamento do Leão não chegava a 19%, estando em exatos 18,51%, o que convenhamos, era muito pouco, um pouco diferente dos atuais 27,27% de aproveitamento. Continuamos mal...

Ainda que tal comparação pouco acrescente, é bom ficar de olhos bem abertos, visto que naquele ano, após onze rodadas disputadas, o América-RN acumulou duas vitórias, 3 a 2 no Santos em plena Vila Belmiro, e 1 a 0 no Paraná, na Vila Capanema, e um empate, 2 a 2 com o Sport na Ilha do Retiro, conseguindo míseros 21,21% de aproveitamento, insuficientes para livrá-lo do rebaixamento, tal qual o caso do Leão hoje...

Naquela oportunidade, das onze rodadas, o clube potiguar jogou seis em seus domínios e cinco na casa do adversário, o inverso do que ocorreu com o Leão até aqui.

No entanto, assim como a pontuação do América-RN, 7 pontos ganhos em 11 rodadas, equivalem aos míseros 9 pontos conquistados pelo Avaí até aqui, o que nos deixa extremamente preocupados.

Série A já começou...





SEM REFERENCIAL
Ao que parece, assim como já foi dito na semana passada, antes da partida contra o Botafogo, vitória avaiana por 2 a 0, 
o técnico Claudinei Oliveira está numa situação muito desconfortável no comando do time, que não consegue responder às suas expectativas, nem da torcida avaiana.

A vitória no Rio de Janeiro foi ótima, mas o empate em casa acabou deixando a torcida do Leão mais do que preocupada, até por
 não trazer nenhuma novidade, quer no que se refira à escalação ou mesmo em relação ao esquema de jogo.




NO PÁREO
Terminada a décima primeira rodada do Campeonato Brasileiro da Série "A", o Avaí segue na vice-lanterna, mas dessa vez tem o consolo de que com uma vitória e uma combinação de resultados, estará fora da "zona do rebaixamento".

Claro que não vai ser fácil, mas para que veio para a Série "A" pensando em facilidade, certamente bateu em porta errada...

A situação do Leão não é confortável, bem pelo contrário, está longe de ser desesperado, mas alguma medida precisa ser tomada, e isso deve partir do alto comando avaiano, Francisco José Battistotti, que está sempre sintonizado com as coisas do Avaí. 




BRIGA DE GENTE GRANDE
A sequencia de jogos do Leão não será fácil, assim como ninguém disse que seria fácil na Série "A"...

Daqui pra frente, até o final do turno, teremos:

1) 09/07 - DOM - Grêmio - Porto Alegre/RS;
2) 13/07 - QUI - Coritiba - Ressacada;
3) 16/07 - DOM - Bahia - Salvador/BA;
4) 19/07 - QUA - Corinthians - Ressacada;
5) 23/07 - DOM - Cruzeiro - Ressacada;
6) 29/07 - SÁB - Palmeiras- São Paulo/SP;
7) 03/08 - QUA - Atlético-PR - Curitiba/PR; e
8) 06/08 - SÁB - Santos - Ressacada.

São 24 pontos por disputar, recomendável fazer 14 pontos ganhos, sob pena de decretar um rebaixamento antes do tempo...




SEM ESCOLHA
Como disse na nota anterior, estamos numa briga de "gente grande", e se quiser seguir entre os grandes, o mínimo que se possa querer é disputar cada jogo, cada minuto, como se fosse um deles.

Se o Avaí seguir nesse ritmo, não há dúvidas de que as dificuldades aumentarão. É preciso, antes de qualquer coisa, querer vencer, e se sentir em condições de buscar as vitórias.

De nada adianta entrar em campo para pedir autógrafo para o adversário...

Acorda, Leão!






Saudações AvAiAnAs!

14 Comentários:

Maurício Luz disse...

Time e presidente fracos... treinador desorientado...rumo direto ao rebaixamento.... alguma atitude emergencial!!!!!

Paulo disse...

Domingo fui na ressacada ver uma macaca que não queria fazer gols é um Avaí que não queria atacar!! Não tem meio de campo!!!

Raniere disse...

Para se vencer um jogo de futebol é preciso fazer o básico, ou seja, jogar futebol. O Avaí, infelizmente, não faz nem o básico. A vitória no Rio de Janeiro foi um ponto fora da curva e, por isso, creio que não teremos um repeteco contra o Grêmio (tomara que eu queime minha língua.
Hoje o Avaí é um amontoado de jogadores correndo atrás da bola. Até o Luverdense veio na Ressacada com um bom toque de bola e propondo o jogo. Simples assim. E o Avaí? Até quando esta lentidão, estes erros de passe e posicionamento continuarão? E a insistência neste sistema de jogo atual e com determinados jogadores? E precisou que o goleiro cometesse uma besteira homérica para ver que Douglas é melhor? Nos treinos do Avaí Claudinei não observava a gritante diferença?
É por isto que estamos nesta situação. Infelizmente nosso treinador está perdido.
Grande abraço.

Alexandre Carlos Aguiar disse...

Times que querem participar de um campeonato, mas sem muitas ambições dá nisso aí. O lamento de falta de dinheiro não convence mais, se você está sempre no limite. Aliás, isto ocorre com 90% dos clubes do futebol brasileiro e o Avaí não está fora disso.
E aí vamos bater, sempre, na mesma tecla: gastar com parcimônia.
Não dá para jogar uma série A e indo no pau a pau com as outras equipes? Se organiza na Série B. Se estruture ali. Coloque jogadores das categorias de base junto com alguns mais experientes e monte um time ao menos competitivo.
Não dá para fazer isto também na B? Faça na Série C. Se organize por lá e suba com os cofres arejados.
- Ah, mas a torcida não vai se conformar.
Foda-se!
Ué, não estão dizendo que o Avaí joga a Série A apenas pra se manter, pra não cair? Então também seja sincero e diga, com todas as palavras e verbos, que jogará uns três anos na Série B ou mesmo na C, até se organizar. Isso é planejamento e não o que fazem agora, trocando o pneu com o carro andando.

Carlos avaiano disse...

Bom dia André
4 pontos em 6 disputados, nessa média fica na elite com os pés nas costas.
O problema é que com a posição na tabela, esse empate não caiu bem e não aceitamos.
Acontece que as diretorias do avai(zunino, amado e Battistotti), encararam e encara a elite como um momento pra ganhar dinheiro para saldar dívidas trabalhistas.
Entrar para ser competitivo e permanecer anos seguidos como lá em Chapecó,
Isso é relevante, o negócio é pagar as cagadas por erros administrativos e contratações amadoras, como atléta machucado usando o clube como hospital, atléta em fim de carreira sem condições de encarar um campeonato inteiro, atléta compondo o grupo gastando sabão para lavar uniforme de treino, só para saldar dívida com ele( Ferdinando)etc. e com salários que pagariam meio time de bons atletas em ascensão na carreira .
Vejam, a seriedade que é encarar uma série A e como a bola pune a incompetência, o que vem acontecendo com clubes gigantes no cenário brasileiro com títulos mundiais e vários nacionais e libertadores, como é o caso hoje de Inter e São Paulo, clubes com poder financeiro e sócios bem superiores ao avai, e vejam como estão, um fora da classificação de acesso na B é outro na zona da A.
Por isso sr Battistotti, se não tem competência que dispute competições do tamanho de sua capacidade administrativa, acho que a C daria para beliscar um título.
Fazer passeatas desfiles no acesso para a elite e depois a torcida que se vire com participações ridículas e algumas vexatórias, isso não está no hino nosso orgulho.

LUGO disse...

Qual equipe na Série A joga com mais de dois jogadores veteranos, que não o goleiro?
O Avai eu sei que vem jogando.
Isso compromete todos os setores, pois os mais novos tem que se desdobrar para suprir a deficiência de marcação e recomposição.
Não é só o Marquinhos que apresenta essa dificuldade, e talvez ela não fosse tão sentida se contássemos, nos demais setores com jogadores com mais vigor.
Veja o caso Betão. Visivelmente, no mano a mano, não tem condição de fazer frente a gurizada, então, coloca o Alemão ao seu lado, puxa o Luan pra trás.
Como consequência, tem que puxar o homem de ataque para preencher o espaço que aparece pelo lado esquerdo, fazendo com que o time jogue recuado e que quando tomemos a bola, nunca tenhamos um jogador mais avançado, mais descansado, mais perto do gol adversário.
Betão nunca será questionado, pois vai jogar sempre de boa, sem precisar se expor.
Isso também faz com que o capa tenha que sair lá de traz, sempre na correria, pra tentar chegar lá na frente.
Para o lado direito serve a mesma análise.
Vira uma correria, com os jogadores nunca posicionados para atacar.
Para Claudinei abrir mão desse esquema vai ter que barrar alguns veteranos, ousar postar a equipe mais a frente.
Se isso não acontecer, continuaremos a reclamar do Rômulo, daqui a pouco reclamaremos do Joel, Depois do Júnior Dutra.
Claudinei não está errado em jogar assim se mantidos os veteranos, está errado em manter os veteranos, não dar ritmo de jogo aos mais novos e não ter coragem de ousar.

Julio Castro disse...

Parabéns Alexandre Carlos Aguiar . Fazia tempo que não lia algo com tanta propriedade. Qualquer construção (até barraco de ferramentas) precisa de fundação sólida. Depois cresce.

André Tarnowsky Filho disse...

Maurício Luz,

Atitude emergencial e pra ontem!

André Tarnowsky Filho disse...

Damian,

Joguinho sonolento...

André Tarnowsky Filho disse...

Raniere,

Estás coberto de razão.
Vai virar postagem.

Abraço!

André Tarnowsky Filho disse...

Aguiar,

A questão é que o clube segue gastando muito mal o pouco dinheiro que tem...
Exemplos? O que fizeram com Roberto e Eltinho...
Coisa de amadores!
E agora ainda aparece esse oportunista do Gonçalves cobrando premiação pelo acesso...

André Tarnowsky Filho disse...

Carlos Avaiano,

Tudo o que colocaste daria uma tese...
Não poderíamos enfrentar uma Série A basicamente com o mesmo time que disputou o acesso ano passado...
Agora praticamente já se passaram 29% da competição e a coisa vai ficar ainda mais difícil...

André Tarnowsky Filho disse...

Lugo,

Boa análise, mas não creio que possamos chegar a algum lugar mantendo esse meio de campo, com volantes amarrados e a lentidão já conhecida.
Na Série A, além de uma técnica mais apurada, há que se ter o vigor físico, com o bem colocaste.

André Tarnowsky Filho disse...

Júlio Castro,

Sempre se precisa de uma fundação sólida!

Postar um comentário

A MODERAÇÃO DE COMENTÁRIOS FOI ATIVADA. Os comentários passam por um sistema de moderação, ou seja, eles são lidos, antes de serem publicados pelo autor do Blog.

Odontokist

Arquivos do Blog

  ©André Tarnowsky Filho - Todos os direitos reservados.

Modificado por Marcos TOTÔ | Template by Dicas Blogger | Topo