quinta-feira, 2 de março de 2017

NAS PENALIDADES FOMOS TRÁGICOS, by Roberto Costa

Aconteceu o inesperado. Embora o adversário sempre tenha apresentado bom futebol contra o Avaí, sendo um time difícil de ser batido, contávamos com a classificação.

O time segue sofrendo com as ausências de seus dois volantes titulares, Judson e Luan. O lado bom de essas coisas estarem acontecendo, tais como, dois volantes titulares contundidos, é que são aspectos negativos que não devem ser deixados para resolução em cima do início da série A. 

O esquema de nosso treinador é fundado na solidez da defesa e estamos vendo que não temos zagueiros e volantes reservas à altura dos titulares. Ferdinando não tem mais os vinte e cinco anos e nosso reserva sub vinte não tem experiência. Até o segundo turno estadual nos trará sérias dificuldades, caso não melhoremos a qualificação do banco. Mais dois volantes de bom nível são imprescindíveis.

No jogo achei que Claudinei cedeu à ansiedade, tentou definir no primeiro tempo abandonando a sua velha equação da paciência, de dar a bola ao adversário para surpreendê-lo no contra-ataque. Com isso não deu só a bola, deu espaço também às investidas do Luverdense. Tomou o gol e complicou-se.

Felizmente, teve tempo e cabeça para modificar. Fez as substituições no segundo tempo e obteve o empate, predominando no jogo até o final, ainda que o adversário tenha produzido alguns sustos nos poucos torcedores presentes. Desclassificados, perdemos a grana, mas se um consolo nos sobra na derrocada, é que teremos mais foco em cima do Estadual e menos desgaste nos atletas. O torcedor sabe que o dinheiro seria importante, mas entre umas poucas rodadas a mais na Copa do Brasil e o título Estadual, ele prefere tentar o Caneco.

Penso que Kozlinski falhou no gol da Luverdense, o chute foi de longa distância. Caio Cesar, que beleza, mostrou futebol. Betão manteve a elevada média, Alemão sempre guerreiro. Leandro Silva teve dificuldades na marcação. Rômulo escondido. Denilson baixou um pouco a bola.

Nas penalidades fomos trágicos. Marquinhos deve esquecer, é seu calcanhar de Aquiles. Leandro Silva chutou sem apego, sem emoção.

* Roberto Costa é associado do Avaí FC

6 Comentários:

ney.lf disse...

Diego Jardel trágico e o gol foi culpa dele por tentar jogada de efeito no meio de campo, muito comum em outros jogos onde se complica com a bola e o gol sai.
Jogador enceradeira, roda, roda e nada produz.

Roberto disse...

Ney If, assino embaixo. Já disse várias vezes que D.Jardel não é jogador para série A. - RC

Roberto disse...

Esqueci de falar sobre a arbitragem.

O Raposão chegou a apontar o meio de campo na hora do gol anulado, depois voltou atrás. O Luverdense fez cera desde o momento em que fez o gol e ele acrescentou apenas 1 minuto no primeiro tempo. Jogadores do Luverdense caíam a todo momento, inclusive o goleiro, tivemos atendimento médico mais de uma vez, e ele deu apenas 3 minutos no final e ainda por cima terminou o jogo com apenas 2,5 minutos. Tinha pressa em encerrar o jogo, quando era o Avaí quem pressionava. - RC

André Tarnowsky Filho disse...

Ney LF,

Posagora...
Acho o DJ bem útil ao time...

André Tarnowsky Filho disse...

RC,

Escrevi que o gol foi mal anulado, e foi mesmo!

Postar um comentário

A MODERAÇÃO DE COMENTÁRIOS FOI ATIVADA. Os comentários passam por um sistema de moderação, ou seja, eles são lidos, antes de serem publicados pelo autor do Blog.

Odontokist

Arquivos do Blog

  ©André Tarnowsky Filho - Todos os direitos reservados.

Modificado por Marcos TOTÔ | Template by Dicas Blogger | Topo